Back In Time Tricolor

 Já que “as tuas glórias vem do passado” e hoje tem muito bico novato comentando sobre o que “acha”…

Back In Time Tricolor

Siga @PaulinhoHeavy

By Paulinho Heavy especial para Isto É Tricolor.

Estávamos na copa de 78 e nosso glorioso Chicão havia sido convocado pelo técnico Coutinho para ser reserva do Baptista do Inter.
Quando a copa começou afunilar,caímos numa chave que tínhamos que jogar com a Argentina, país sede da copa. A pressão seria tremenda, pois aquela copa já estava “encomendada” para ser dos donos da casa, que tbm viviam sob ditadura (Futebol- o ópio do povo…muito parecido com o que deveria ter acontecido por aqui em 2014).
Coutinho, que era bairrista* (carioca), mas não era bobo, decidiu trocar Cerezo por Chicão
*em tempo: prá quem não sabe, nos anos 70, era havia uma rivalidade absurda entre Rio e SP
No dia da partida, todos os jogadores e membros da comissão técnica estavam muito tensos e  nervosos. O único “alheio” era o nosso representante tricolor.
A fim de colocar os jogadores no clima da partida, o finado Coutinho, idealizador e precursor deste expediente que é utilizado até os dias de hoje, mandou todos os jogadores entrarem em campo para o aquecimento e já sentirem o calor do que enfrentariam durante o jogo.
Todo mundo com cara de medo, menos o homem.
Embaixo de muita vaia, a seleção brasileira adentrou ao gramado. Tudo que os gringos tinham nas mãos, voaram em cima dos jogadores (leia-se rolo de papel higiênico, moedas, rádios de pilha, chinelos, cuspe, copos cheios de urina, etc.)
Ao voltarem ao vestiário, todos muito apressados e apavorados por motivo óbvio, Chicão voltou andando lentamente e com um sorriso maroto no rosto.
Ao ser indagado se não estava com medo e porque sorria, respondeu :
“Medo do que, cumpadi? Disto aí? Ocêis tão loco?…isso aí num é nada não….oceis são fraquinho…lá em Piracicaba os caboclos joga paralelepípedo na cabeça da gente quando nois corre na laterar …!!!”
Na preleção, Coutinho mandou Chicão marcar forte e  cuidar do Kempes (atacante habilidoso da argentina).
Do alto dos seus quase 1,90m de pura raça e determinação, Chicão perguntou : qual é o número dele?
Começa a partida e na primeira jogada que o Kempes vai pra bola, lá vem o Chicão na corrida.O gringo tenta domina-la e lá vai bola, Kempes e tudo mais lá pra cima das placas do patrocinador… O gringo olhou para o Chicão que tava bufando na beirada do campo e percebendo sua feição de louco, evitou encara-lo.
Não teve segunda dividida. Kempes mudou de lado do campo e literalmente sumiu do jogo todo. Afinou legal !!! Com aquele setor liberado, Chicão não perdeu tempo em dar um trato em outros “hermanos”. Passarella, Luke, etc..todos tomando presta atenção do nosso heroi..Domínio total no meio de campo,desmontando totalmente o setor de criação do adversário e dando tranquilidade aos companheiros.
O jogo terminou empatado e o Chicão foi considerado o melhor jogador em campo. Impávido pela própria natureza.
Ganhou o apelido de O Xerife da Batalha de Rosário e o respeito (prá  não dizer temor)  até dos adversários.Terminamos invictos aquela copa e com título de campeão moral, pois não perdemos para ninguém.
Os gringos ganharam graças a uma palhaçada do Zveiter da época e do time do Peru que abriu as pernas para o time argentino e tomou de 6 (jamais de 7×1).Anos mais tarde,a farsa do “1.0.0” deles foi desvendada e ficou realmente comprovado que vários jogadores foram comprados
Fica a constatação : Tínhamos no SPFC um cara que fez vibrar toda a nossa nação brasileira pela sua garra, coragem e determinação e mostrou pra todo mundo, o que já estávamos acostumado em ver nos jogos do nosso tricolor.
Vc não me perguntou e nem sabia, mas perto do Chicão, Lugano é considerado  Madre Teresa de Calcutá. Seja  jogando bola, impondo moral dentro do vestiário ou sentando o sarrafo, neste monte de folgados, que tiram sarro dos são paulinos e ficam impunes, não há comparação.
Deus da raça tricolor, Chicão Avanzi, é e sempre será meu camisa 5 no time do tricolor de todos os tempos.

Texto by Paulinho Heavy – Iron Maiden + Som Pop + Inox + Black Jack Bar + Metal Tricolor + Rádio Web São Paulo Digital = É NOISE !!!
Um sortudo roqueiro, jovem de outrora, que ainda assiste a sessão desenho,sempre soube que nunca caímos, que ainda não precisa de “azulzinho”, mas viu o SPFC de Pedro Rocha jogar contra o Santos de Pelé.

Chicão
Volante
Era um jogador supervalente, que não tinha medo de cara feia e apavorava os que tinham. Comandava o time. Era tão forte e determinado que um problema crônico no nervo ciático mal o atrapalhava. Na Copa de 78, o técnico Cláudio Coutinho escalou um meio de campo sem Chicão em jogos light e com Chicão nos outros, podem acreditar.

Jogos disputados pelo SPFC: 317
Estreia: 05/09/1973
Último jogo: 15/12/1979
Gols marcados no SPFC: 19
Nascimento: 30/01/1949, Piracicaba (SP). Faleceu em 08/10/2008,
Títulos conquistados no SPFC: Campeão Paulista de 1975 e Campeão Brasileiro de 1977.

https://www.youtube.com/watch?v=AqJ5hYw7jAE

chicao (2)_crop_galeria_crop_galeria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s